terça-feira, 31 de maio de 2011

Ninguém ama...

...outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta, o amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão, o verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar, ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano, isso são só referenciais, ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca, ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

- Marta Medeiros

domingo, 29 de maio de 2011

...

Não me lembro mais qual foi nosso começo. Sei que não começamos pelo começo. Já era amor antes de ser...

Clarice Lispector

quarta-feira, 25 de maio de 2011

E quer saber?



"E essa história de barcos já me rendeu demais. Agora quero mais é que afunde, eles e quem estiver dentro. Inclusive o meu comigo junto! (SABE DE UMA COISA? ...EU DESISTO DAS PESSOAS!)"


Wath Goes Around



A melhor das melhores!



I Don't Love You!



Acho que é assim que funciona! =}


E a mais ninguém!


“Eu respeito a sua dor e não posso elaborar nenhuma tese sobre ela. Sua dor é única, e é a única que você consegue realmente sentir. Ela te pertence e a mais ninguém.”






( - Augusto Cury)












Um bei dir zu sein - Christina Stürmer

Alguns...

“Me escondo dessas tuas histórias que me enredam cada vez mais no que não és tu, mas o que foste. Tento fugir para longe e a cada noite, como uma criança temendo pecados, punições de anjos vingadores com espadas flamejantes, prometo a mim mesmo nunca mais ouvir, nunca mais ter a ti tão mentirosamente próximo, e escapo brusco para que percebas que mal suporto a tua presença, veneno, veneno, às vezes digo coisas ácidas e de alguma forma quero te fazer compreender que não é assim, que tenho um medo cada vez maior do que vou sentindo em todos esses meses, e não se soluciona, mas volto e volto sempre, então me invades outra vez com o mesmo jogo e embora supondo conhecer as regras, me deixo tomar por inteiro por tuas estranhas liturgias, a compactuar com teus medos que não decifro, a aceitá-los como um cão faminto aceita um osso descarnado, essas migalhas que me vais jogando entre as palavras e os pratos vazios, torno sempre a voltar, talvez penalizado do teu olho que não se debruça sobre nenhum outro assim como sobre o meu. Tornarei sempre a voltar porque preciso desse osso, dos farelos que me têm alimentado ao longo deste tempo…” ...“Só agora eu sinto que as minhas asas eram maiores que as dele, e que ele se contentava com os ares baixo; eu queria grandes espaços, amplitudes azuis onde meus olhos pudessem se perder e meu corpo pudesse se espojar sem medo nenhum. Queria e quero- ainda. Voar junto com alguém, não sozinha.”

“Decepções são apenas uma forma de Deus dizer: eu tenho algo melhor para você.” ...“E acontece que eu ainda sou babaca, pateta e ridícula o suficiente para estar procurando o verdadeiro amor.”...“Ae chega a hora em que distribuo um segredo: O tudo que faltava, talvez seja você.”...


“Sabe de uma coisa? Eu desisto das pessoas!”
(- Caio Fernando de Abreu)


terça-feira, 24 de maio de 2011



"Eu achei uma descrição pro amor:
Esperar!

Independente do porquê.
Mas apenas esperar...
Se você ama, você espera."




segunda-feira, 23 de maio de 2011

Sacanagem...!

Agora vim falar de sacanagem. É. Mas não é desexo não. Vim falar mesmo é dessa sacanagem que as pessoas fazem com a gente e das coisas que ninguém conta. Olha só...


Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos.


Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada.

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.


Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.


Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava.


Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.

Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos. Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto.

Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto...!

Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade.


Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas.

Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém..."





- John Lennon

Bem/Mal (ditos) Barcos...!








É...eu realmente preciso dormir porque levanto bem cedo para o trabalho e ainda mais, tenho consulta médica logo pela manhã....aí eu sei que não é hora, mas como não existe hora pra pensar e agente não manda nisso, estava aqui pensando no amor...e sempre ele...eita sentimento macabro viu! A gente, vira e mexe, jura de pés juntos que ama alguém, mas aí se dá conta que também dizia amar outro alguém pouco antes...então me pergunto...é possível amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo? Porque se você dizia que amava Fulano e ainda pensa nele ou nela, mesmo dizendo para Sicrano que ama ele e não ama o Beltrano que você disse que nunca iria pensar e se dá conta de que é de quem sente mais falta, as coisas se confundem bastante não?!
Certa vez, li em algum lugar que pra relacionamento não se pode amar duas pessoas ao mesmo tempo, a gente até pensa que consegue...mas poder mesmo, diz que não pode! E sabem, falo de amor MESMO! Não daquele amor incondicional dos nossos pais, e irmãos, nem daquele de amigos, que juram ser pra sempre, mas a gente percebe que sempre acaba...falo desse tal amor que a gente sente quando encontra alguém que nos tira do chão, sabe? Aquele alguém que tem a capacidade de te levar da realidade quando você pensa nele...ou que te traz de volta a vida quando você já está meio fora dela. Aquele alguém te tira sorrisos fáceis...e não qualquer sorriso, aquele sorriso que vem da alma, o que você sente algo por dentro que quase estoura o peito antes de mostrar os dentes...não é aquele sorriso fajuto, e como dizem, "amarelo"...é branco, puro...transparente. Falo de alguém que te acalma só de dizer que está bem, e com isso tem a capacidade de te deixar bem também, sabem? Estou falando de AMOR. Esse "amor"...esse tal de amor que muita gente desconhece...
Agora, chega de me explicar...



Voltando ao "amar duas pessoas ao mesmo tempo"...
Certa vez li sobre isso não me lembro aonde...e neste texto dizia que a gente, por mais que tenhamos dúvidas, quando nos deparamos a tal situação, é como se estivéssemos em meio a uma correnteza, em dois barcos ao mesmo tempo, com um pé em cada um, e lutando contra a força das águas sendo que soubéssemos que é impossível de vencer a natureza. Aí você segura firme. Mas por quanto tempo? Vai chegar uma hora que seu corpo não aguenta mais essa "divisão", e você, querendo ou não, vai ter que decidir pra qual "pula" e qual você deixa as águas levarem...é algo interessante, sabe? Porque, com certeza, a maioria das pessoas já se viu em situação parecida ao longo da vida...e ok, nem que não seja "dividido por amor", mas qualquer pessoa já se encontrou forçado a uma escolha justa, seja por qualquer coisa. Todo mundo já se viu assim um dia. E nessa hora, lá "no barco" você começa a pensar no que já passou "com eles". Aí é assim:



De repente você tem um barco bom, com certo "apego sentimental" e tanta história pra contar, mas que se você continua nele, em meio a correnteza, ele pode não estar mais tão bom assim ao ponto de "segurar a onda"; ou sei lá, você pode se surpreender e ver que entre esse e aquele novo, que você acabou de comprar e saiu pra navegar pensando que ele aguentaria muita coisa, em meio a correnteza, ele já fez um furo mas com uma madeira boa ele pode aguentar mais da metade do que o outro aguentaria (ou não)...aí pra qual você pula? Arrisca ficar no velho e afundar com ele, ou arrisca o novo que tem um furo, mas pode aguentar ainda muito tempo e, de repente, sua trajetória esteja apenas começando? Situação difícil ? Eu pensando bem, ainda tenho dúvidas em qual barco estaria mais segura...e nem sei porque estou escrevendo tudo isso...estou me sentindo uma idiota porque estou amando algo intocável denovo, irreal... como é que a gente ama o que nem existe?! Como é que a gente se apega à sonhos e fantasias?! E a fantasias que te inspiram e dão esperanças ainda por cima...?!


Acho que na verdade o sono está batendo e estou escrevendo besteira...e o pior, falando de barcos...



Mas só queria desabafar por algo que me fez pensar hoje sabe...


É que estou em "dois barcos" nesse momento da minha vida, (ou pior, eu posso (também) ser um deles), pulando praquele que está mais forte e, talvez, eu esteja percebendo que meu barco velho já deu o que tinha que dar. A vontade de ir pro mais novo está forte sabe? Tem algo nele que me prende, me puxa, me dá forças pra lutar, me segura...Parece que a tentação de lutar pra ter algo novo e meu de verdade está soprando forte em meus ouvidos (e eu estou ouvindo)... Eu acho que essa força que estou tendo e esse amor pelo que eu estou lutando pra, ou ao menos tentando, conseguir está crescendo a cada dia, a tentação por algo que eu possa vir a ter está me dando forças, coragem, ou medo...muito medo, sei lá. A vontade unida ao medo de seguir em frente, no barco novo, está me dando um medo tremendo "de ficar na mão" em meio ao oceano e, embora eu saiba que ainda não tenho nem metade desse algo novo, eu tenho plena ciência de que aquele velho, que naveguei por tanto tempo, também nunca foi meu de verdade... mas o novo pode vir a ser...agora o velho? Nem sei dizer se compensa mais lutar por ele, ou pagar tanto pra ter algo que nunca seria meu de verdade... E o novo? Será que compensa?...Será que ele pode ser meu de verdade ou é apenas emprestado, e aí quando eu estiver bem apegada a ele, naquela fase de não me ver mais sem, achando que posso contar com isso, chegue a hora de devolvê-lo...?!


Se tratando de madeira...eu sei que "barcos não sentem", mas acho que como em qualquer aquisição justa, pra escolher algo, a gente precisa que se passe segurança. Você precisa ter segurança em um barco, pra saber se ele vai aguentar firme e fazer com que a gente possa seguir em frente... isso é definir o real valor que as pessoas darão para algo que se exponha, seja para qualquer finalidade. O velho está velho sabe? Não aguenta tanta coisa mais, embora o apego sentimental com ele seja fora dos limites...mas está velho! Por mais que se conserte um furo, a madeira está gasta...ela vai quebrar e quebrar de novo e de novo, até que tenha que se trocar inteira...e aí? Alguém teria condições, tempo e paciência disponíveis pra isso tudo? Acho que não...
Tem horas que, por mais que pareça difícil, a gente tem que jogar fora aquilo que não nos serve mais sabe? Por mais que a escolha seja difícil, precisamos estar abertos para o novo. É aí que entra a hora do recomeço. Aquela hora de se limpar a alma...de abrir espaço pra claridade entrar e dar aquele banho na nossa vida... por mais que a claridade desbote algumas coisas e deixe algumas manchas que não saem mais, qualquer ser vivo precisa dela pra sobreviver. Qualquer pessoa precisa limpar a alma de vez enquando...abrir espaço. É de espaço que eu falo. De "trocar a madeira"....tirar do lugar aquela desgastada que nem a claridade conserta mais, e pôr no lugar aquela que ainda pode levar muitooo tempo pra começar a dar fungos. O que é velho está velho, o tempo fez sua parte e vai continuar fazendo. É assim e sempre vai ser. Até que se alterem quaisquer princípios... O que o tempo leva é porque não é nosso...se fosse nosso, seria NOSSO, e ele não afastaria...e se volta, é porque ele mesmo fez questão de arrumar pra devolver, seja por troca ou substituição da matéria-prima, só sei que volta...mas isso a gente nunca sabe...só dando tempo ao tempo, se dando chances, e vivendo a vida (que já é bem curta) pra saber... ;)


(E eu comecei falando de amor e acabei falando em "barcos"...o pior é que nem nadar eu sei...rs... ainda corro o risco de "morrer afogada" em meio a essa "correnteza" toda, mas eu acho que meu barco está escolhido, agora depende mais dele do que eu... ) E eu acho que em meio a tantas ondas, finalmente encontrei quem me faz tudo aquilo que descrevi pro tal amor lá no começo (eu estou completamente ancorada com meu barco novo, quem diria... )...mas será que eu ter achado basta? Será que em meio a uma correnteza, esse alguém entre dois barcos não se voltaria ao barco velho? Ou será que eu, nesta mesma situação, não voltaria ao barco velho por já conhecê-lo bem e mesmo sabendo que ele vá naufragar, preferir o comodismo de achar que já conheço bem, enquanto que para continuar no novo eu teria que passar por coisas novas ao seu lado para conhecê-lo de verdade e poder saber se ele me traz a segurança que eu tanto julgava ter ou não? O meu pânico é que a resposta seja sim...que a gente, talvez, sempre escolha o mais velho...(opte pelo comodismo)...e que a correnteza arraste o mais novo ou o afunde de vez.


Amor?
Como essa palavrinha tão simples dá assunto né?
E o pior é que amor é mais do que palavra...e amar é bem mais do que dizer eu te amo pra alguém...
Tem que vir de dentro sabe?
A gente passa noites em claro ou faz coisas que jamais pensou por isso.
E cá entre nós?
É tão bom! *--*



"A-M-O-R é só uma palavra...até que você encontre em alguém o seu significado, para que tudo possa fazer sentido"... (e eu acho que encontrei esse alguém! Isso é o que me causa tanto medo... medo de amar, de ser feliz, ou de sofrer, de novo, por gostar demais de alguém...que pode, na verdade, nem saber que EU existo...ou pior que isso, pensar que sabe e se esquecer que o EXISTIR MACHUCA quando te tratam como barcos...barcos não sentem, mas gente, embora comparada a um, SENTE demais!...e, de verdade? Dói Muito quando você pensa nisso! Dói bastante! )... "/

Mas acho que está é na hora de recomeçar...
RE-COMEÇAR!





E só sei de uma coisa:
A única certeza que tenho neste momento é a de que eu quero e preciso de "um barco novo"! De UM não, DO barco novo.
E chega de falar de barcos. Eu quero mesmo é esse alguém que anda me fazendo sair pra navegar num oceano imenso sem ter medo nenhum de quantas tempestades ou naufrágios eu encontre no caminho. A única certeza que eu tenho neste momento é que eu amo alguém. E esse alguém sabe. Só queria poder confiar quando ele diz que sente o mesmo e também prefere dar lugar "ao novo". Eu quero o novo agora. E mesmo que ele se torne velho daqui a algum tempo, a única certeza que tenho é que minha vida acontece no presente... o passado passou e o futuro eu desconheço. Eu quero o novo. Eu preciso do novo. E é dele, desse barco novo, que eu posso cuidar pra que a madeira não desgaste por descuido, é melhor cuidar pra que o tempo é que, se tiver que fazer, que faça seu papel... E quanto ao velho? Se eu posso responder por mim agora, só por mim, é bom mesmo que a maré leve...se for pra voltar, pode ser na tempestade ou num dia bom, as próprias ondas se encarregam disso...sem força, sem luta, sem desgastes desnecessários... depende mais é da direção que o vento soprar...bravo ou manso como só ele sabe ser...



Desculpem o post confuso.Eu precisava desabafar.
Agora preciso é dormir.






Boa noite!

s2

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Espero...



“Confesso que ando muito cansado, sabe? Mas um cansaço diferente… um cansaço de não querer mais reclamar, de não querer pedir, de não fazer nada, de deixar as coisas acontecerem. Confesso que às vezes me dão umas crises de choro que parecem não parar, um medo e ao mesmo tempo uma certeza de tudo que quero ser, que quero fazer. Confesso que você estava em todos esses meus planos, mas eu sinto que as coisas vão escorrendo entre meus dedos, se derramando, não me pertecendo.Estou realmente cansado.Cansado e cansado de ser mar agitado, de ser tempestade… quero ser mar calmo. Preciso de segurança, de amor, de compreensão, de atenção, de alguém que sente comigo e fale: “Calma, eu estou com você e vou te proteger! Nós vamos ser fortes juntos, juntos, juntos.” Confesso que preciso de sorrisos, abraços, chocolates, bons filmes, paciência e coisas desse tipo. Confesso, confesso, confesso. Confesso que agora só espero você.”


“Tem horas que eu me perco sem você aqui, aí eu lembro: tá tão longe de mim. E o meu coração grita: mas tá aqui dentro.”



- Caio Fernando Abreu


quinta-feira, 5 de maio de 2011

Judas [Oficial] - Lady Gaga

Éeeeh....e saiu o clipe... avaliem!

Apnéia...




E é quando esvazio meus pulmões que teu nome vem à minha cabeça. Mas seria muito fácil desviar meu corpo dessas poucas letras. Difícil é, a cada minuto, esbarrar em memórias, tropeçar em fotos e até, ás vezes, prender-me às histórias, por livre e espontânea vontade. Abrir os braços e alçar vôo é muito mais doloroso quando eles ainda estão unidos por algemas. Descobri-me assim em pleno vôo livre rumo ao chão, quando meu relógio já marcava "tarde demais". E é quando eu encho novamente meus pulmões que eu percebo que teu nome permanece escrito em mim. É só fechar meus olhos e te ver escrita em minhas pálpebras.



- Lucas Silveira



quarta-feira, 4 de maio de 2011

Me irrite...!

Me faça ciúmes.
Me diga que estou sendo chata.
Me diga que sou grossa.
Me morda.
Me faça cócegas.
Me fale coisas lindas.
Me faça sorrir.
Me abrace.
Me ligue.
Me faça sonhar.
Me faça uma música.
Me diga qualquer coisa com essa sua voz linda.
Me diga que vai sair com outra, e apareça de surpresa.
Me mostre a realidade.
Me dê conselhos, daqueles que só você sabe.
Me dê esperanças, mas só se for se realizar.
Me deseje sorte.
Me ame.
Mas o principal, se não pretende fazer essa ultima coisa, me faça te esquecer.
É justo.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

AAAAAAAAh!


Tenho medo de te perder por falta de atenção ou por excesso dela. Tenho todos os motivos do mundo pra te pedir pra ficar comigo, do meu lado, mas não posso fazer isso, preciso sentir que você também quer estar comigo.... Você está certo em exibir ao mundo tantos dentes e tão brancos. Eu é que estou errada quando paro um pouquinho para olhar com tristeza esses sustos do amor. Não tem mais você tirando sarro quando eu não aguentava a dor no peito e te dizia no escuro que era mais ou menos amor mesmo. Porque era. Porque é. Se você soubesse o estado que estou agora, zumbi, pegando detalhes seus por aqui, e doendo tanto que nem sei mais por onde começar. Eu não aguento mais começar. Queria tanto continuar. Não sei, não aguento, ainda não posso, mas queria continuar.

Tive medo da sua pressa, que sempre me ofende tanto. Tive medo da sua fidelidade. Você sempre foi muito bom, mas dificilmente me emprestou seu ombro, seu colo, sua mão, seu olhar carinhoso, seu suspiro, seu sono, sua fragilidade. Tive medo de ser só desejo, porque para mim sempre foi mais...Mas, se antes meu coração ardeu e se assustou de pecados, agora ele chora de saudade, de covardia e de aceitação. Ele está puro, e nem por isso tranqüilo.

Porque você não faz parte da minha vida e eu não me importo mais com isso, já tinha me curado do vício de falar sobre você e de pensar em você. Mas depois que sonhei com você, sonho esse que estou quase me convencendo que foi o meu subconsciente, me dizendo que eu não me curei porra nenhuma e que eu amo você de uma maneira incrível e contraditória.

Pois é, te amo mesmo… talvez pra sempre. Mas nem por isso eu deixo de ser feliz ou viver minha vida. Foda-se esse amor, e como você diria: foda-se você. Te amo de todas as maneiras possíveis. Sem pressa, como se só saber que você existe já me bastasse. Sem peito, como se só existisse você no mundo e eu pudesse morrer sem o seu ar. E, por fim, te amo até sem amor, como se isso tudo fosse tão grande, tão grande, tão absurdo, que quase não é. Eu te amo de um jeito tão impossível que é como se eu nem te amasse. E aí eu desencano desse amor, de tanto que eu encano. Pois ninguém acredita na gente, nem você. Mas eu te amo também do jeito mais óbvio de todos: eu te amo burra. Estúpida. Cega. E eu acredito na gente. Sabe, não é um sentimento egoísta e muito menos possessivo. É apenas uma saudadezinha. Gostosa, tranqüila, bonita, saudável, de longe. E, quem diria: leve...

Você me ensinou muita coisa, a te respeitar, te admirar, te querer, só não me ensinou a te amar, isso aprendi sozinha. Sabe, quando estamos distantes, mesmo que por horas, sinto muita saudade… a vida fica surda sem você, porque o volume do mundo abaixa para ouvir meu grito interno. Às vezes sinto que você vai me querer pra sempre, e vai assumir tudo isso e ficar ao meu lado pra sempre. Porque eu ainda sou frágil, preciso de você, preciso que cuide de mim. Mas não quero sujar nosso amor com a minha mania de amar despedaçada e esfarelada, quero ficar toda inteira pra quando você me quiser.

Só quem tem o poder de te fazer sentir viva, pode fazer você se sentir morta. Só quem arrepia cada centímetro do seu corpo e faz você sentir o sangue bombear num ritmo charmoso, é capaz de estragar o mundo quando parte. Só quem tem o poder de tornar o mundo leve e fazê-la flutuar, também pode afundar sua noite…"

- Tati Bernardi.

Everything - Lifehouse (tradução)