quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Esquece...

“Esquece. Não vou atrás de ninguém. Não mais. Ontem eu quis desesperadamente a sua companhia lá naquele banco da praça, quis ficar ali com você a noite toda se pudesse. E quando fui embora pensei em te ligar, dizer pra voltar amanhã, vir me fazer sorrir. Mas não. Hoje eu acordei e pensei que seria melhor não, eu não quero me apegar em ninguém, não quero precisar de ninguém. Quero seguir livre, entende? Mesmo que isso me faça falta, alguém pra me prender um pouquinho. Vou me esquivar de todo sentimento bom que eu venha a sentir, não levar nada a sério mesmo. Ficar perto, abraçar de vez enquando, sentir saudade, gostar um pouquinho. Mas amar não, amar nunca.”

— Caio Fernando Abreu

...nada de passado...

Amor não se conjuga no passado; 
ou se ama para sempre, 
ou nunca se amou verdadeiramente.

 

(M. Paglia) 



E você? O quê?


Me dei ,me dei ...mudei.
E você, o quê?


Fiz tudo, te dei o meu mundo.
E você o quê?
 

Joguei, lutei, arrisquei, amei!!!
Gostei, um amor maior: impossível.

E você o quê?
 

Ultrapassei meu íntimo.
Fechei meus olhos, os olhos da alma.
Decidi ignorar meus padrões.

Ocultei minhas raivas, algumas vezes não deu,
disfarcei meus ciúmes, amaciei minhas mágoas.

Sua voz me tranqüilizara, teu sexo me domava.

Fiz como pude e como não pude.

Do seu jeito fui levando,
algumas vezes amor próprio me faltou, mas eu só queria seu amor.

Por inúmeras vezes te amava mais do que o tudo...

E pergunto: E você? O quê?
 

Armei sua lona, fiz seu circo , pintei seu mundo.
Fiz de você meu primeiro (te tornei o único!)

Usei suas cores, anulei as minhas.

Aceitei suas verdades intactas, anulei as minhas.

E você amor? O quê? O quê você fez?


Despedacei meu ego, levantei nossa bandeira!
Me julguei egoísta, fui contra a seu favor.

Chorei, chorei, chorei até faltar vazio em mim.

Fui no fundo, no profundo do meu âmago.

Pra merecer teus carinhos, teus gemidos, tua língua,

teu prazer, teu sorriso, tua atenção, teu apreço.

Pra me sentir mulher, me fiz criança. 


Fiz pirraça, cena, novela.
Decorei um texto pra nada dar errado.

Abri a mente, fiz preces, fantasiei um mundo.

Amei teu corpo, teu jeito, teu cheiro,
tua sombra,
abri meu peito acreditei na gente.

Desconfiei muito, mas confiei demais...!

E você amor? O quê?


Ouviu minha canção?
Abriu o peito?
Cortou seus cabelos?
Trocou de canal?
Falou "aquela" frase?
Fez planos pra mim?
Escolheu um filme pra nós?
Foi minha companhia para todos os momentos?
Foi a um show?
Usou "aquela" blusa?
Amou-me de verdade?
Pensou em mim? No que construímos? No que alcançamos?
!


Tudo um dia tem fim.
Tudo na vida tem volta!

Tranqüila você pode ficar,
riscos de amar sem ser amada, você não há de correr não.
..
Porque Amor de verdade você não sabe diferenciar!
Dizer que vou ser feliz agora? ...Quem sabe?

Dizer que você vai se dar bem? ...Tomara!  


Aprendizados são pra vida toda,
mas amor unilateral na vida da gente uma só vez é suficiente... 


...#FIKDIK...



...
Porque o carro é meu
O celular é meu
O silicone é meu
Não foi você quem deu
Tô cheia do vazio
Do que me prometeu
Quem Manda Em Mim Sou Eu!
Eu não vou servir de escada pra você
E nem vou implorar por um carinho seu
...



(Cláudia Leite)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Não


Exato Momento

O amor precisa da sorte
De um trato certo com o tempo
Pra que o momento do encontro seja pra dois o exato momento
O amor precisa de sol
E do barulho da chuva
De beijos desesperados
De sonhos trocados da ausência de culpa
Talvez o amor só seja assim pra mim
E pra você não seja nada disso
Mas eu prometo tentar aprender a te amar do jeito que for preciso

Mas se o amor quiser mudar as leis do que é certo
Ele faz que o improvável aconteça
Quando o amor vier não tema, tenha fé
Ele encherá seu olhar de esplendor e beleza
Talvez o amor só seja assim pra mim
E pra você não seja nada disso
Mas eu prometo tentar aprender a te amar do jeito que for preciso...


(Zé Ricardo)

...

De tudo, ficaram três coisas: 
a certeza de que ele estava sempre começando, 
a certeza de que era preciso continuar e 
a certeza de que seria interrompido antes de terminar. 

Fazer da interrupção um caminho novo. 
Fazer da queda um passo de dança, 
do medo uma escada, 
do sono uma ponte, 
da procura um encontro.


(Fernando Sabino)


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Don't you remember (?!)


(Adele)

Aprenda! ;)

"É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chopp é gelado. É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nas festas agendadas no calendário, quando se vê de vez em quando. Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E perde o charme. O prazo. A identidade. A coerência. O rebolado. Nessas horas é que se vê o verdadeiro amor, aquele que é companheiro, que quer o bem acima de qualquer coisa. E é esse o amor que dura para sempre. Na verdade, este é o único que pode ser chamado de AMOR! "

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

AMOR

 (A) Amizade 
(M) Maturidade 
 (O) Organização 
 (R) Respeito.





Jô Soares

"Aos caminhos eu entrego o nosso encontro..."

 
Não me aproximo porque, veja bem, sabe lá quem habita a tua solidão. Hesito. Recuo. Me afasto tristíssima. E te imagino em poses e sorrisos, voz grave e cabelos desgrenhados, preso nas minhas fantasias mais loucas e movimentadas. Numa delas sou um bichinho invisível, com asas, que adentra tua casa e te observa em segredo. Faço o contorno do teu corpo todo com os olhos, parada contra a parede do teu quarto, imóvel, enquanto tu te atiras na cama. Cansado. Tu olhas para o teto imaginando mil coisas, memórias, compromissos, desejos, saudades. Te fito com dor. A luz do abajur faz sombra na tua pilha de livros, que folheei um dia e quis pedir emprestado mesmo sabendo que não havia intimidade para pedidos. Por razões que desconheço, nossas aproximações foram sempre pela metade. Interrompidas. Um passo para a frente e cem para trás. Retrocessos. Descaminhos. Procuro sinais de algum amor teu. Vestígios de noites passadas. Tu não me vês, estou incógnita a te observar. Como sempre estive, olhando pelas janelas, de longe, coração apertado. Nós poderíamos ser amigos e trocar confidências. Assistiríamos a filmes, taça de vinho nas mãos, e tu me detalharias as tuas paixões e desatinos. Nós poderíamos ser amantes que bebem champanhe pela manhã aos beijos num hotel em Paris. Caminharíamos pela beira do Sena, e eu te olharia atenta, numa tentativa indisfarçável de gravar o momento e guardá-lo comigo até o fim dos meus dias. Ou poderíamos ser apenas o que somos, duas pessoas com uma ligação estranha, sutilezas e asperezas subentendidas, possibilidades de surpresas boas. Ou não. Difícil saber. Bato minhas asas em retirada. Tu dormes, e nos teus sonhos mais secretos, não posso entrar. Embora queira. À distância, permaneço te contemplando. E me pergunto se, quem sabe um dia, na hora certa, nosso encontro pode acontecer inteiro. Porque tu és o único que habita a minha solidão.


(Caio Fernando Abreu)

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

...verdades...

O afeto se desenvolve na medida em que conhecemos alguém e o imaginamos, e fenece quando o vemos de verdade. Para isso só tem duas saídas; ou jamais conhecermos de fato nosso cônjuge ou conhecê-lo, deixar a atração ilusória morrer e nos afeiçoarmos de novo pelo real. Xiiiiii Essa segunda opção é quase impossível, não é? Quem é que gosta do real? Só os mais corajosos e criativos, a maioria corre em busca da próxima ilusão. Por isso temos a fantasia que na convivência deixamos de gostar do parceiro (a).

Acredito que só experimentamos amor mesmo, depois da primeira morte dele, é quando outro afeto renasce em bases mais firmes e verdadeiras. Então (...) O amor nasce, morre e renasce dentro da convivência, se a gente deixar, num contínuo infinito.

Inspiração!

Sou Seu Anjo - Tatiana Costa


domingo, 19 de fevereiro de 2012

Rolling in the deep...


Barcos, barcos, barcos...

Olha... Eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar também, tá me entendendo? Eu sei que sim. Eu entro nesse barco, é só me pedir, nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou. Faz tempo que quero ingressar nessa viagem, mas pra isso preciso saber se você vai também, porque sozinha não vou. Não tem como remar sozinha, eu ficaria girando em torno de mim mesma, mas olha, eu só entro nesse barco se você prometer remar também! Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes, mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia, mas você tem que prometer que vai remar também, com vontade! Eu começo a ler sobre política, futebol, ficção científica. Aprendo a pescar, se precisar, mas você tem que remar também. Eu desisto fácil, você sabe, e talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir. Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia, mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo. Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir. Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto, eu te ensino a nadar, juro! Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças! Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena... que por você vale a pena, que por nós vale a pena...
Remar. Re-amar...
Caio Fernando Abreu

Últimas

Hoje eu acordei antes das oito. Coisa de quem não tá legal, né? Aí comecei a pirar total, porque sonhei que meu ex namorado me apresentava a filha bebê dele. Me fazia pegar a menina no colo. E me dizia que ia me amar pra sempre, apesar de tudo. Dizia isso e de repente a ligação caia. Ué, mas ele não tava ao vivo? Acordei achando melhor arrumar logo a cama, tomar logo um chá mate ou água de coco. Tem dor que é melhor não coçar a coceira. Tem coceira que é uma ferida maior do que você imagina. Vai que a coisa te engole e você vira refém da ferida e não um ser com ferida. Um ser dentro da ferida. E morre afogada nadando no pus. E enfim, acordei. Aí trabalhei bastante no meu roteiro. Adiantei boa parte dele. Afinal, amanhã vou pro Rio. E quando penso que vou fazer tudo aquilo. Aquilo de aturar aeroporto, avião, táxi carioca. Aturar tudo aquilo sem ter você. Aí fico aqui imaginando que merda vou inventar pra não ir. Porque é tão mais fácil aturar a vida sabendo que tem você. Agora sem você, meu amigo, a coisa é feia. Realmente feia. Mas aí minha mãe me chamou pra almoçar. Olha que bom. E eu fui feliz. Porque você pode imaginar como eu tava sem você e sem minha mãe. Então a coisa melhorou um pouco. Depois fui com o Kiko visitar um amigo roqueiro, doido e budista que recebeu um lama francês em casa. E o cara falou sobre karma. E eu fui ficando realmente desesperada porque aconteceu tanta coisa maluca nesse encontro. E eu colecionava vida pra te encher dela depois. Agora encho quem ou o quê? O que eu faço com a vida? O que eu faço com a graça da vida? O lama falou que matar bicho dava karma ruim. E uma mulher, você não vai acreditar, mas uma mulher perguntou se matar mosquito da dengue dava karma ruim. E eu queria tanto te contar. Você tá rindo, não tá? É tão bom quando você ri. Olha, tudo bem, eu sei, eu entendi. Mas é foda, é tão foda. Depois comi pão de queijo com suco de morango. Numa padaria aqui perto. Ah, e ontem. Fui na livraria POP. Tão legal lá. E tavam todos os meus amigos. A Letícia perdeu o emprego e estava super engraçada mandando um palavrão atrás do outro. A Ana vai cantar semana que vem. E eu queria te contar. Sei lá porquê. Essa hora que a gente se contava me dava força, sabe? Me dava gostosinho na alma. E sabe o quê? Descobri que dá pra ir a pé na creperia aqui da rua. E tem vista bonita. Fui ontem. Tava calor. E a gente não fez isso. A gente não fez tanta coisa. Mas o que dói mesmo é esse finalzinho de dia. A hora que eu validava a minha existência com a sua atenção. A hora que eu representava o mundo para a única platéia que me interessa. A hora que eu me irritava um pouco, porque fazia parte. E então tudo isso que pensei e vivi ganhava um motivo maravilhoso e digno que era virar imagem no seu ouvido. Virar realidade. Agora fico aqui me perguntando se eu existo mesmo. Porque se não me conto pra você, o que eu sou? Pra que serve? E ainda tem ingresso do Radiohead. E ainda tem esses DVDs aqui. E a cadeira balança com o vento lá fora e quando eu vou ver tô chorando daquele jeito que faz mugidinhos. Amanhã eu vou pro Rio. E vou ter meus pânicos todos. E no final do dia, puta merda. O foda é o final do dia. Sem me depositar em você pra respirar sem rinite. Sem bater meu cartão em você pra ter o descanso de quem pode terminar bem o dia. Eu sei, eu entendi. Só queria te contar. Eu sei que ficou meio Bridget Jones esse texto. Eu sei que nunca é o que poderia. Mas eu amo você. Só queria terminar dizendo isso. Eu amo você. De verdade.
Tati Bernardi

Two Is Better Than One


terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Rosas - Replace (*----*)

Se eu me lembrasse e te falasse
Aquela frase que eu disse quando eu te conheci,
Poderia ser grande,
Mas nesse instante,
Seria o mais cabível a dizer..
Se as rosas falassem e me perguntassem de quem eu gosto,
Hoje eu saberia responder..
Perdi muito tempo com tanto lamento e não consegui
E agora eu peço pro vento pra ele levar pra ti..
E vou continuar pensando que você está me esperando
No lugar de sempre
E não quero mais pensar que nunca mais vou ver
Você olhando o mar..
E aquele brilho constante por quem me apaixonei,
Foi embora com os planos que sonhei..
Quem foi que disse que parei de sonhar e me apaixonar?
Já que você não está aqui,
Vou continuar a planejar.
Já sei o caminho que faço,
Não importa se vai ser fácil,
Desde que eu vá de encontro a ti;
Já tenho o endereço e já sei qual é o preço,
Pra passar das nuvens e ver você sorrir;
E agora eu saio do meu mundo, pra entrar no seu..
E vivo a cada segundo..
Como se não fosse eu, como se não fosse eu...